Conheci o Darlan pela primeira vez em 2006. Ele sempre teve algo especial.

No momento desta reportagem, Darlan está no Arendal Fotball ( Noruega ). O contrato dele está vencendo, e ele está sem saber para onde a viagem contínua.

Nas quartas de final da Norway Cup 2009, enfrentamos a Mathare United do Quênia. Um jogo bastante equilibrado e duro. Darlan fez 1x0 e nossos sonhos de ganhar a Norway Cup estava a um passo de ser alcançado. Mas logo antes do final, Mathare empata e a partida foi resolvida em uma competição de penaltis. Depois de todas as penalidades terem sido convertidas para gol, Darlan teve que marcar a última penalidade para nos manter na competição.  Um final bruto para a primeira viagem norueguesa de Darlan. O goleiro defende a cobrança e os nossos sonhos e realizações desaparecem .

Tentamos confortá-lo e apoiá-lo como podíamos. Mas parecia o fim do mundo para o Darlan. Ele estava inconsolável. Ele sentiu que falhou para com os seus melhores amigos e familiares.

No entanto, não demorou muito tempo para que o seu distintivo sorriso voltasse a aparecer. Ele sorriu e riu. A decepção sentida passou a ser a sua força. Darlan tinha apenas 15 anos de idade. A vida deu-lhe a oportunidade de lidar com a adversidade e aprender com ela.  Um desafio para alguém que foi nascido e criado em uma comunidade carente ( PPG ) com 10 irmãos onde a vida nem sempre foi fácil.

Para mim, Darlan é um bom exemplo de como o desenvolvimento esportivo é uma consequência do desenvolvimento humano. Darlan não era aparentemente o mais forte quando nos conhecemos pela primeira vez em 2006. Mas ele aproveitou bem as oportunidades que recebeu e cresceu tanto como ser humano e como jogador de futebol.

Em 2010 e 2011, o Darlan foi, sem duvidas, um dos destaques nas conquistas dos torneios Norway Cup ( Noruega ), Gothia Cup ( Suecia ) e Cup No 1 ( Dinamarca ), sendo o artilheiro.

Fluminense e Flamengo estão entre os clubes para os quais ele jogou depois da era do Karanba. Em 2014, estreou profissionalmente pelo Flamengo aos 19 anos de idade.

Eu ainda acredito muito no Darlan. Apesar das dificuldades esportivas no Arendal e talvez por isso, tenho a forte convicção de que ele terá sucesso na próxima oportunidade. Sua vida sempre consistiu em grandes desafios. E ele provou muitas vezes que enfrenta as adversidades, e cresce com elas. Estou impressionado com a adaptação dele na Noruega, da forma como conseguiu estar longe da família, amigos, e do Brasil. Muito obrigado a Arendal Fotball, que cuidou bem dele!

A maravilhosa jornada da vida continua. E Darlan voltará fortemente!